Hemobrás firma parceria para desenvolver tecnologia de identificação por radiofrequência

Hemobrás firma parceria para desenvolver tecnologia de identificação por radiofrequência

Notícia publicada em: 29.09.2010

A Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás) irá modernizar o processo de armazenamento do plasma com a implantação de um sistema pioneiro no mundo – o uso de chips de identificação por radiofrequência (RFID). Com isso, será possível otimizar toda a logística, desde o recebimento das bolsas de plasma na fábrica até a inspeção visual e estocagem dos produtos na câmara fria, dispensando a necessidade de manuseio e reduzindo, desta forma, a possibilidade de erros. Para desenvolver a tecnologia específica para este uso, a Hemobrás firmou, na manhã de hoje (31/8), convênio com o Centro Nacional de Tecnologia Avançada S.A. (Ceitec), empresa pública federal do Rio Grande do Sul. Participaram da cerimônia o diretor técnico da Hemobrás, Luiz Amorim, e o diretor administrativo e financeiro da Ceitec, Roberto Andrade. A fábrica de hemoderivados está em construção no município de Goiana, distante 63 quilômetros do Recife, e a primeira parte a ser inaugurada será a câmara fria, no segundo semestre de 2011, já com este novo mecanismo.

O plasma deve ser mantido em uma temperatura entre -30° e -35° para preservar suas características e qualidade, antes de ser transformado em medicamento. Porém, ao chegar à fábrica, precisa ser submetido a um procedimento de pesagem, inspeção visual e estocagem que, atualmente em todo o mundo, é feito manualmente, e por isso, neste setor de triagem, a temperatura do ambiente fica em torno de 4°, mais tolerável aos humanos, porém ainda inadequada ao plasma. Desta forma, toda a logística deve ser feita em até 30 minutos, para não comprometer o plasma. A fábrica da Hemobrás contará com uma câmara fria com capacidade de armazenar um milhão de bolsas de plasma – será uma das cinco maiores do mundo – e receberá cerca de 120 mil novas unidades por semana.

“Decidimos então aperfeiçoar o processo, em busca de uma solução para a nossa realidade. Acreditamos que o uso de chips de identificação por radiofrequência nas bolsas de plasma seja a mais eficiente e eficaz”, ressalta o diretor técnico da Hemobrás, Luiz Amorim. Com esta tecnologia, a matéria prima já sairá dos serviços de hemoterapia com uma etiqueta RFID. “O chip vai propiciar a redução de erros e o aumento de velocidade no processo, ou seja, todos os ganhos inerentes da automação”, mencionou o engenheiro de produto da Ceitec, Luiz Fernandez, que fez uma demonstração de como o chip deverá funcionar ao ser fixado nas bolsas de plasma.

Ao entrar na câmara fria da fábrica, uma empilhadeira irá retirar as caixas com o plasma de dentro do caminhão frigorífico e transportá-las através de um portal, que lerá as informações do chip automaticamente. Em seguida, serão colocadas em uma esteira, onde serão pesadas e fotografadas, para verificação das conformidades por parte de um sistema de informação específico. Se estiverem conformes, serão recolocadas nas caixas e armazenadas. Se não, serão descartadas. Tudo em até três minutos.

A câmara fria será a primeira parte da fábrica a ficar pronta, no segundo semestre de 2011, e já será inaugurada com este novo sistema. Até lá, a tecnologia de microeletrônica RFID, ainda inédita para esta finalidade, será desenvolvida em conjunto pela Hemobrás e o Ceitec, com um apoio do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) da ordem de R$ 6 milhões. Portais de leitura, esteira, balança, máquina fotográfica e sistema de informação custarão cerca de R$ 1 milhão e serão arcados pela Hemobrás, pois já estavam previstos no projeto de sua unidade fabril.

A primeira parte do projeto de desenvolvimento desta tecnologia irá avaliar a solução técnica que viabilize o processo produtivo de captação, armazenamento e transporte de plasma utilizando-se produtos RFID na frequência 13.56MHz (ISO 15693) – o que significa que o alcance por ser de até 1,5m e que não sofre atenuação do sinal causado pela proximidade de água – existentes no mercado, como etiquetas, gravadores, impressoras e leitores, verificando, ao mesmo tempo, se o sistema proposto atende às necessidades desta aplicação, definindo qual o melhor encapsulamento, etiquetas e leitores. Numa segunda etapa, será desenvolvido um novo chip de RFID HF (alta frequência) de 13.56MHz, e em seguida, a etiqueta RFID que será utilizada pela Hemobrás.

SOBRE A HEMOBRÁS – A fábrica de Hemoderivados da Hemobrás, em construção em Goiana, a 63 km do Recife, está orçada em R$ 540 milhões e será inaugurada em 2014. Lá serão produzidos para o SUS os seguintes medicamentos derivados do sangue: albumina (tratamento de queimados, pessoas com cirrose, pacientes de terapia intensiva, entre outros), complexo protrombínico (indicado para pacientes com hemofilias A e B, tratamento de hemorragias em pessoas que utilizam medicamentos anticoagulantes e também para cirrose hepática), fator IX (de pessoas com hemofilia B), fator VIII (pessoas com hemofilia A), fator de von Willebrand (tratamento da doença de Von Willebrand, tipo de enfermidade que, como na hemofilia, o paciente tem dificuldade para coagular o sangue). Como sua construção foi dividida em duas fases, a primeira a ficar pronta será o bloco 01, já no segundo semestre de 2011. Este é considerado um dos prédios mais importantes da fábrica, por abrigar uma câmara fria a -35º C destinada à recepção, triagem e estocagem de todo o plasma que será usado na produção dos medicamentos, em uma área de 2,7 mil m2.

Notícias Recentes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Translate »

Cookies

Quando você visita um site, ele pode armazenar ou coletar informações no seu navegador, principalmente na forma de cookies. Essas informações podem ser sobre você, suas preferências ou seu dispositivo e são usadas principalmente para fazer o site funcionar como você espera. As informações normalmente não o identificam diretamente, mas podem oferecer uma experiência na web mais personalizada. Como respeitamos seu direito à privacidade, você pode optar por não permitir alguns tipos de cookies. Clique nos títulos das diferentes categorias para saber mais e alterar nossas configurações padrão. No entanto, o bloqueio de alguns tipos de cookies pode afetar sua experiência no website e os serviços que podemos oferecer. Mais informações.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Cookies

Ao clicar em “Aceitar todos”, você concorda com o armazenamento de cookies no seu dispositivo para melhorar a navegação no site, analisar o uso do site e ajudar em nossos esforços de marketing.

Imunoglobulina

São proteínas produzidas pelos linfócitos B, tipo específico de leucócito (célula sanguínea) cuja função é reconhecer, neutralizar e marcar os antígenos para que estes sejam eliminados ou fagocitados pelos macrófagos. Ou seja, age como mecanismo de defesa do organismo contra infecções e agressões externas. 

Indicação – no âmbito terapêutico, é usada principalmente em pessoas com doenças neurológicas, deficiências imunológicas, doenças autoimunes e infecciosas, aids, púrpura, entre outras e no transplante de medula óssea. 

Fator de von Willebrand

É um fator pró-coagulante que circula no plasma sanguíneo. Ele aumenta a adesão de plaquetas ao endotélio lesado e, ao se ligar ao fator VIII, mantém adequados seus níveis plasmáticos. A deficiência quanti ou qualitativa desse fator caracteriza a doença que traz o nome do médico finlandês Erik Adolf von Willebrand, que a descreveu pela primeira vez em 1925. 

Indicação – portadores da coagulopatia de von Willebrand, vinculada a mutação no cromossomo 12, que se manifesta basicamente pela disfunção plaquetária associada à diminuição dos níveis séricos do fator VIII coagulante, existindo também casos raros de forma adquirida da doença. Essa é a doença hemorrágica mais comum e atinge cerca de 2% da população mundial. Ambos os sexos são afetados e os sintomas incluem sangramentos nas gengivas, menstruais prolongados, sangramentos excessivos após pequenos cortes, extração dentária e outras cirurgias.  

Fator IX

O Fator IX é uma das principais proteínas do sistema de coagulação e encontra-se deficiente em pessoas com hemofilia B. 

Indicação – pacientes com hemofilia B, doença genética cujos sintomas são semelhantes aos da hemofilia A.

Fator VIII

O Fator VIII plasmático é uma das proteínas essenciais do sistema de coagulação sanguínea e sua falta causa a hemofilia A, chamada de hemofilia clássica, doença genética ligada ao sexo.  

Indicação – usado no tratamento das pessoas com hemofilia A, doença caracterizada por hemorragias nas articulações, músculos, trato digestivo e cérebro. Como a doença é ligada ao cromossomo X, um homem (XY) com um gene anormal no seu cromossomo X terá hemofilia. No caso da mulher (XX), ela só apresenta a doença, se os dois cromossomos X estiverem afetados, o que é muito raro. Quando um só é atingido, ela poderá passar o gene ao seu filho. A incidência estimada da doença é de 1 para 5mil homens e 1 para cada 25 milhões de mulheres. O Fator VIII plasmático tem a mesma função do Hemo-8r (nosso fator VIII recombinante): combater sangramentos e realizar o tratamento profilático de pacientes com hemofilia A. A reposição do fator VIII restaura a hemostasia nesses pacientes. 

Entregas

Entregas em 2022: 82.981 frascos. 

Atualizado em 24/08/2022.

Albumina

Albumina humana é a principal proteína encontrada no plasma sangue. Sua síntese ocorre no fígado, pelos hepatócitos. Exerce papel fundamental na manutenção da pressão osmótica, distribuindo os líquidos corporais nos espaços intra e extravascular. 

Indicação – é usada no tratamento de grandes queimados ou de pessoas com hemorragias graves, cirrose, insuficiência renal, septicemias, e ainda em transplantes de fígado e cirurgias cardíacas. 

Hemo-8r
(Fator VIII recombinante)

O Hemo-8r é o nosso Fator VIII recombinante. Ele é o nosso primeiro produto registrado e distribuído com a nossa marca. O Hemo-8r é fundamental para a nova fase do tratamento da Hemofilia A no Brasil com a ampliação da profilaxia, que é a maneira mais eficaz para prevenir os sangramentos espontâneos e sequelas nas pessoas portadoras da coagulopatia.

Possui a mesma eficácia do Fator VIII plasmático, mas não depende das doações de sangue para ser produzido, o que vai permitir que a maioria das pessoas portadoras de Hemofilia A possam fazer o tratamento profilático no futuro.

Recombinantes

Medicamentos recombinantes são produzidos por engenharia genética através do uso da “tecnologia de DNA recombinante”. Nessa técnica, um gene responsável pela síntese de uma proteína específica, é inserido numa célula que será responsável pela expressão da mesma. Essa célula modificada se reproduz num meio com nutrientes e expressa uma grande quantidade da proteína. O produto final é obtido após a purificação da proteína e utilização na fabricação do medicamento.

Atualmente, temos um processo de transferência de tecnologia de medicamento recombinante com o laboratório Takeda, para a produção do Hemo-8r, o Fator VIII recombinante.

Skip to content